Pular para o conteúdo principal

Abraços grátis!

D'já-hoje eu fui ao centro d'ja-pé para pagar a fatura do cartão, comprar um desodorante e uns cabos de microfone.
Ah, no caminho também vi o instrutor de moto, o Rafael (todo Rafael é gente boa).
Olhando-me no reflexo de um carro qualquer, me vejo como uma pessoa insegura. Por trás dessa gola polo acredito que as pessoas conseguem ver a insegurança de um jovem tímido que não conhece o mundo nem as pessoas. E nem quero. Mas isso é outra história.

Chegando no centro uma coisa me chamou a atenção. Bom, duas. Uma delas foi a loja de 1,99 que abriu, mas não vou falar disso. A outra é que havia pessoas no centro com um cartaz escrito "Abraços Grátis".
Minha reação ao ver: "Nossa, que nossa!" (Quê?)
Enfim, fiquei maravilhado. Mas não tive coragem de abraçar ninguém. Timidez é um lixo. O rapaz que estava lá estava falando no celular enquanto segurava o cartaz, e também vi duas meninas, mas aí que não abraçaria. Ora, dá vergonha, talvez ela pensasse que estivesse me aproveitando ou alguma coisa assim, sei lá. Mas eu gostaria de receber um abraço de uma menina.

Mas, embora isso me agradasse, comecei a pensar e aí me entristeci um pouco, quando lembrei, que tipo de sociedade que vivemos, onde as pessoas precisam distribuir abraços? Isso deveria ser natural, eu acho. A que ponto chegamos! As pessoas não se abraçam em casa, não se dão mais bom dia, não se beijam no rosto, enfim, o amor tem se esfriado.

A distribuição de abraços é algo fascinante e maravilhoso  mas ao mesmo tempo dá medo. É como se estivessem oferecendo quimioterapia grátis para uma sociedade que tem câncer. Não é uma crítica ao trabalho. O mundo precisa de amor. As pessoas precisam de abraço.

PS.: Eu gostaria de participar de algo assim.

Abaixo meu desenho pedagógico que fiz enquanto escutava Glass Harp.

São plaquinhas com interrogações, não caixinhas do Mario


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.