domingo, 23 de setembro de 2012

Minha opinião sobre o filme Jesus Cristo Superstar


Imagem: Reprodução. Eu sempre quis escrever isso
Terminei de assistir Jesus Christ Superstar (o filme, não a peça. Sou pobre). Primeiras impressões:

  • A história não é bem baseada na Bíblia.
  • É bem podre por causa disso. É bem parcial, mas é uma peça artística e não uma biografia, então é compreensível.
  • As músicas são ótimas.
  • É massa que os carinhas cantam em falsete umas horas e tem uns roquezinhos bem progressivos pra época (anos 70 eu acho).
  • Os recursos de captação do som, o stereo (talvez binaural) e principalmente a qualidade da gravação das vozes encanta.
  • Abusa dos compassos de cinco e sete tempos (isso sim é muito legal).
  • Contém cenas de suicídio e de alto nível de sensualidade (nível baile funk)
  • Judas era negão. Por quê?!
  • Bem, valeu algumas horas baixando e um DVD de um real.

Enfim, é bom e o filme é muito bem produzido. Fica longe de ser um filme cristão ou religioso, não é um filme para se passar na igreja, por exemplo. Mas mostra um ponto de vista não muito interessante sobre a vida e morte de Jesus.

É uma pena que não demonstra a ressurreição de Jesus. Bem, como uma obra completamente desprovida da crença em Jesus como Deus, é compreensível. A propósito, no filme inteiro sugere-se que Jesus Cristo era um fanático e seus seguidores, meros alienados sem visão.
Além de que sugere-se muito sutilmente que Jesus tenha tido um caso com Maria Madalena (ou entendi errado).

Enfim, valeu muito a pena pela obra de arte, que é de uma qualidade muito boa. Gostarei de ver outras vezes, quando estiver mais maduro.
Agora se alguém planeja assistir como alimento espiritual, melhor ir ver algum outro filme.
Teria sido melhor ir ver o filme do Pelé.

O assistente de T.I.

Trabalhar com informática é uma coisa bem curiosa.
Às vezes eu penso em cursar Sistemas da Informação. Mas às vezes penso em algo mais na minha área, psicologia.

O interessante é que você pode contemplar que para algumas pessoas, a informática simplesmente não faz sentido. É tão difícil criar uma pasta, digitar um texto, fazer uma planilha então, nem pensar!
Gente que fala pendriver (já vi professores de informática falarem isso), gente que não consegue falar Mozilla Firefox, etc, etc.

Então logo eu entendi a verdadeira definição da palavra suporte: suporte vem do verbo suportar! Claro, por que não?! Peço licença para inserir um versículo bíblico para dar embasamento ao que me refiro:
Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor (Efésios 4:2) 
Interessante é que, às vezes o usuário é uma pessoa super estudada, tipo, que fez mestrado e tudo o mais, e, quando vai digitar um texto, troca o acento agudo pelo grave, o til pelo circunflexo, uma bagunça total. E aqueles que ficam pressionando a barra de espaços pra centralizar um texto.

De fato é necessário ter bastante paciência para suportar esses usuários (leia-se no bom sentido).

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Tentando decifrar a cabeça dos professores

Ainda tentando decifrar.
0,2% completed. 42 years remaining.
Tem gente que nasce com o dom mesmo.
Ainda vou entender.

Jesus hippie?

É, acho que este vazio não é fome.
Não sei se é só comigo, mas parece que eu tenho um sonho bem estranho:
Largar o trabalho, afrouxar a gravata e sair pelado por aí, pegar um violão e tocar na praça, sumir do mundo, ler um livro, esquecer das tecnologias, sair sem rumo e sem hora para voltar.
Eu gostaria de juntar um grupo de amigos e fazer evangelismo no interior. Para um lugar que Deus mandasse, sem intenções senão a de amar as pessoas de uma maneira diferente. Tipo: de verdade.

Como cristão e curioso, pesquisei para saber se por acaso não tinha algum movimento hippie que tivesse Jesus como centro e, para minha surpresa, sim! Existiu nos anos 60 e 70, em meio aquele movimento de contra-cultura hippie, um movimento cristão que foi chamado Jesus Movement.

Era mais ou menos assim, um grupo de jovens que saía pelas praças com seus violões e pandeirolas, e cantavam e dançavam o amor de Deus. Não se drogavam, não bebiam e não fumavam (que redundância) e não faziam sexo antes do casamento.
Minha reação ao ler: "Nossa, tipo a igreja, só que... do jeito certo!"
Saíam pelas praias falando de Jesus e do seu amor, não como os programas de TV evangélicos hoje em dia que falam de como ficar rico, e milhares de pessoas eram batizados ali mesmo: no mar.
Minha outra reação ao ler: "Nossa, isso devia estar nos livros de história!"
Separei dois vídeos para postar (são em inglês mas dá pra entender as figurinhas).
O primeiro trás duas músicas da época e fotos do movimento (por algumas dá para ver que o movimento foi grande mesmo).
O segundo é uma reportagem sobre a expansão do movimento para a Inglaterra. Muito bom!

Mais sobre o assunto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jesus_Movement

O sonho do software livre

Imagine um mundo em que as pessoas são felizes.
Todos usam Linux e LibreOffice.
Ninguém precisa pagar nada pelo software que usa.
E nem piratear o seu sistema operacional. (THMPV...)

You may say, I'm a dreamer...
A propósito, esta publicação foi feita usando o Xubuntu 12.04.

O conceito de preconceito já se tornou um preconceito.

Uma coisa que eu acho engraçado curioso é o preconceito. Não digo o preconceito como se mostra na TV, nem o bullying que se mostra nos trabalhos em sala de aula. Digo o preconceito, na forma mais "pura" da palavra.
É interessante como os meios de comunicação falam sobre preconceito de uma forma... tão... sei lá...  equivocada. Falam de preconceito como se fosse uma modinha, um tema do momento, assim como preservação do meio-ambiente, e etc. Tudo parece tão superficial.
Preconceituoso é aquele que discrimina o gay, o negro, o cadeirante, o pobre, a mulher. Quem faz isso é o vilão. Os demais podem falar à vontade.
O conceito de preconceito já se tornou um preconceito. E o povo que é burro cada vez mais perdido. Bem no fim todo mundo quer dar lição de moral nos outros (que é bem fácil) e nem sabe direito o que é preconceito (enfim, nem eu).
Um exemplo bem atual é o caso dos evangélicos com os gays. Tem uma meia dúzia de perdidos e uma grosa de alienados que espalha que os evangélicos são todos homofóbicos. Aí vem:
Uma coisa é você discordar de determinados tipos de atitude ou valores. Outra é discriminar alguém que tem uma opinião contrária ou se encontra em uma posição, situação ou ponto de vista diferente.
Falo disso como um exemplo (e não porque sou evangélico). Poderia citar outros: "Todo ateu tem preconceito contra os religiosos", ou "Todos os homens são machistas", ou "Os americanos são racistas", e por aí vai.
Este tipo de generalização do "vilão preconceituoso", se mascara de "combate ao preconceito", sendo que só é mais preconceito para juntar com preconceito. Nossa, que preconceito preconceituoso.
E esse é o mundo em que vivemos passamos.