quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.

Ferramenta indispensável para técnicos em Informática

Incrível! Veja algumas das funcionalidades:

  • Reset de modems ADSL e roteadores sem fio;
  • Teste de fontes ATX;
  • Limpeza de ventiladores de fontes AT e ATX;
  • Abre gavetas de unidades de leitura e gravação de CD, DVD, BD, HD-DVD (mesmo com o computador desligado!)
  • Anexar documentos e muito mais!
Realmente, excelente custo-benefício, além de fácil aquisição!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Gatinho Pedagógico

Estava na porta formosa da Secretaria da Educação hoje pela manhã.
Não, eu não tenho uma foto melhor.

Awwww :3

Parafraseando frases famosas 1

Nova sessão do blog. Quem se importa?
"O Facebook é o ópio do povo."
Ou, que tal:
"O Doritos é o ópio do povo." 
Ah, sei lá, um dia eu penso em outra menos idiota mais genial.
E, citando Luís Fernando, gostaria de reproduzir uma de suas sábias frases:
"O povo é burro; o povo tem que apanhar." 

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Passando pelo carreiro,

Eu vi um grupinho de quatro ou seis guris empinando pipa.

Agradeçam a Deus que vocês têm pipas e não tablets em suas mãos.

Às vezes eu tenho pena dessa geração, que nasce com um smartphone nas mãos, comendo Doritos e assistindo cenas de sexo na novela da Globo. (Pareço velho?)

Parece que fomos os únicos. Mas nossos pais também foram únicos em sua época. Agora, pensamos que as coisas modernas não prestam. E ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

O Guia dos Motoqueiros das Galáxias, Parte 2

Depois de fazer aula de moto e de carro, ontem foi o dia do teste final.
Frio na barriga, pegar ônibus, ir ao kartódromo e ver lá como é. A pista era um pouco improvisada, diferente da que eu havia feito aula. Enfim, deu tempo para dar umas duas voltas na pista para experimentar. Pareceu bem difícil, e desde então fiquei com um pé atrás. Não sei se iria passar.

Os peritos chegaram. Eram três. Mas, diferente dos mitos populares (os quais eu também não dei crédito), enfim, eles tinham um aspecto de pessoas simpáticas. Eu acho que não é fácil ser perito. É um profissional muito odiado, simplesmente porque faz o seu serviço.

O meu perito foi o de camisa listrada. Quando chegou a minha vez, tomei atenção em tudo. Geralmente o montar na moto é mais difícil do que andar, hehe. Enfim, até aí eu acertei tudo, mas depois, errei uma marcha. Pra falar a verdade eu não sei direito o que aconteceu, tentei reduzir à primeira, mas permaneci na segunda marcha, e, ao parar, tentei arrancar e a moto apagou. Cheirou estranho e acendeu um aviso no painel. Aí eu já fiquei meio nervoso, mas tentei terminar a volta com dignidade.

Haha, é assim, na hora que não vale nada a gente acerta tudo. Mas de fato o perito foi muito gente boa, e, com bom humor, me comunicou que estava reprovado. Aí ele fez uma piadinha tipo "Imagina se fosse a Gisele Bündchen que fosse fazer o teste com vocês, aí vocês não iam nem arrancar a moto". É, mais ou menos isso.

Mas a notícia boa é que no carro eu consegui passar de primeira. Foi tranquilo. Fiz o percurso estabelecido, me saí muito bem na baliza e fiz quase tudo certinho. O perito (que era o mesmo da moto) me perguntou ao final o que eu havia feito de errado. Eu fiquei quieto, então ele começou a falar umas coisas. Mais tarde eu entendi que eram dicas que poderiam evitar possíveis vícios no volante, e que eu seria aprovado. Mas na hora pareceu assustador, realmente acreditei que estava reprovado.

Enfim, deu boa. Vou sentir falta do "meu" Golzinho amigo, o qual me ajudou muito. E, claro, do instrutor Marcos também que era muito gente boa e me ensinou muito bem.
Ah, o instrutor Rafael, da moto também é muito bom. Mas eu não me sinto à vontade em uma moto, sei lá, parece que eu ouço ela falar "Vou te derrubar, sai de cima de mim!". Em contrapartida, quando eu entrava no Golzinho, ele dizia "Sou seu amigo, vou te levar onde precisar". Nossa, emocionei agora. Tchau, meu Golzinho.

Meu Golzinho era parecido com esse
(eu acho, não entendo nada de carro).
Enfim, agora é marcar o reteste, esperar quase um mês e pagar R$59. Em breve, espero postar a parte três e espero que seja a última.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Às vezes eu gostaria de ter uma namorada.

Mas, é difícil. Sei lá.
Talvez porque eu não consigo ser espontâneo.
Para mim é mais fácil ir a uma entrevista de emprego. Com um curriculum em mãos, e só. É um pouco apavorante, mas namoro parece bem mais. Acho que namoro deveria ser assim, um curriculum de preferência sem foto.
Afinal, essas coisas não fazem parte da minha vida (não mesmo). Mas chega um momento que parece que deveria fazer. Enfim, não é uma crise existencial, sei lá, faz parte para todo mundo eu acho.

Parece que aos vinte anos, há uma puberdade sentimental e não física. É agora que as coisas realmente mudam, tipo, não são pêlos no corpo ou mudança no tom de voz, e sim as coisas na sua cabeça que começam a amadurecer. Às vezes me sinto mais adulto. Às vezes me sinto bem criança. Como um menino de treze anos trocando de voz.

Mas na verdade já passou a fase em que eu "precisava" provar algo para os outros ou para mim mesmo. E sobrevivi aos tempos do ensino fundamental, onde todo mundo ficava com todo mundo (menos eu).

Ah, sei lá. Como eu sempre digo, Deus é mais. Creio que ele vai prover uma menina bem especial no tempo certo. Assim como já proveu um bom emprego público. Mas isso me parece normal, afinal, sou um nerd. É normal que eu consiga um emprego. Mais tarde será natural a faculdade. Comprar um carro. Passar em um outro concurso quem sabe. Mas namoro parece bem distante. Eu só espero que seja no tempo certo.

Ah, enfim, não estou tão carente assim, nem abatido, nem deprimido. Sei lá. Fim do post.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Um breve momento para repúdio da televisão

Não sei como começar este post se não escrevendo: "Televisão é um lixo". Ou pelo menos tem sido um lixo. É muita besteira para minha pobre cabecinha. É lamentável. Eu não quero de maneira nenhuma parecer polêmico ou arrogante.

Jornais: uma coletânea de mentiras, omissões, tendencionismo e parcialidade. Acabo de usar palavras que eu nem sabia que sabia.
Novela: poderia ser algo inútil, mas na verdade é uma ferramenta de manipulação que te mostra atitudes erradas como exemplo de normalidade, destruindo a moral e moldando uma sociedade vulgar.
Futebol: só é útil para quem joga.
Programas religiosos: um minuto de silêncio pelo lixo "evangélico" que se espalhou através da televisão e meia hora de oração por aqueles que assistem. Só para constar, sou evangélico, mas lamento profundamente por alguns programas evangélicos que vejo na TV.

O que é lamentável também é que a maioria dos programas não são feitos para se ver em família. Não foi uma só vez que fiquei constrangido ou até mesmo saí da sala porque o que era para ser um programa de entretenimento sadio acaba virando em mulher seminua mostrando a bunda. Poderia escrever mais coisas, mas, sabe? Esse assunto está ficando chato. Ah, e gostei da discussão entrevista do Malafaia no programa da Gabi. Eu só disse que gostei do programa. Só isso.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Mesmo que você pense diferente de mim,

Eu defenderei totalmente seu direito de se expressar.
Desde que não seja para mim e de preferência que eu nem fique sabendo.