Pular para o conteúdo principal

Meu home studio

Um outro sonho que eu tenho realizado aos poucos é o de montar meu próprio estúdio em casa.
Toco teclado desde os... dez anos? Sei lá, nem lembro mais. Eu sei que pelo tempo poderia ser bem melhor. Enfim, nunca priorizei e nem pretendo priorizar o estudo de música. Mas quando comecei a aprender um pouquinho de produção musical arranjamento (por conta mesmo), gostei mais ainda. É muito bom poder ouvir algo que você mesmo gravou/sequenciou, do jeitinho que você imaginou.

Então comecei a compor algumas canções (na grande maioria com sentido espiritual não vou usar o termo gospel porque gospel é um estilo). A maioria delas ainda não estão completas, faltando versos, arranjos, letra, enfim, uma bagunça. Mas acho que é assim mesmo, aos poucos vai sair alguma coisa um dia.

Bem, essa é a fase atual do meu homestudio:


Por enquanto é só uma escrivaninha com um notebook e algumas coisinhas. O projeto é o mais modesto possível, mas já dá pra brincar legal. Aí uma lista das coisas que comprei e mais ou menos o preço delas:

1. EQUIPAMENTOS

  • Notebook Acer (dá pro gasto) - R$1200
  • Fones de ouvido AKG (esses são bons!) - R$200
  • Microfone Sennheiser (ótimo custo-benefício) - R$315,00 com desconto
  • Pré-amplificador de microfone Behringer (show de bola) - R$235 se não me engano
  • Pedestal marca diabo (uma porcaria, vive caindo sozinho) - R$47
  • Interface (cabo) MIDI-USB (ching ling) - R$15 com frete, um negócio da China!
  • Rolo de papel-higiênico (não sei a marca) - R$ 1,50
Sobre os equipamentos, pesquisei um pouco na internet e fui comprando aos pouquinhos conforme sobrava dinheiro.

O processador do notebook me limita um pouco pois não é dos melhores (é um Vision da AMD, o mais humilde da linha). A placa de som eu uso a do notebook mesmo e não tenho reclamações (quando dá um chiadinho eu tiro o cabo do carregador e fica bom).

O microfone é um e835 da Sennheriser, que tem um som bem nítido, bom mesmo. Compete de igual pra igual com o Shure SM58 e custa quase metade do preço! Antes dele, eu havia comprado um Le Son SM58 (R$139) mas o som não é tão bom (se bem que pra apresentação ao vivo quebra um galho).
Optei por um microfone dinâmico (leia-se "normal") por não ter um ambiente tratado acusticamente. Pelo mesmo preço poderia comprar um microfone condensador que teoricamente teria uma captação melhor. Mas, para minha realidade, seria passar um carro na rua e ia tudo por água abaixo. :-P

Os fones de ouvido são bons mesmo (não lembro o modelo de cabeça), são superconfortáveis e tem um som bem natural (se for comprar um igual, não espere aquela resposta de grave).

O pré-amplificador que uso ligado no microfone é bem bonzinho se regular direito. É valvulado, ou seja, é chique. Mais tarde pretendo ligá-lo a uma placa de som externa, mas por enquanto ligo na onboard e tenho resultados bem satisfatórios.

Além disso, fui adquirindo alguns instrumentos conforme sobrava dinheiro. Nada top de linha não.

2. INSTRUMENTOS
  • Teclado (Yamaha PSR E323)- R$700
  • Violão Tagima (aço, sei lá o modelo) - troquei por um outro teclado que eu tinha. Custaria uns R$500 novo eu acho.
  • Baixo Eagle (modelo jazz bass) - esse eu troquei por um celular e um toca-discos (sim, um toca-discos). Custaria uns R$480 novo.
  • Cubo do contra-baixo (Meteoro Demolidor) - R$369 com desconto
  • Flauta (Presley) - R$3 usada
  • Pandeirola (Ozzy) (acabo de descobrir que é IZZO) - R$25
Ah, e também tem um cajón que o meu pai mesmo fez (hahah). O teclado é modesto mas é bom (tem tecla sensível tá valendo). O violão é bonzinho também. E é bem leve de tocar. O baixo é legal, falta prática pra tocar melhor, mas essa é outra história), o cubo é modesto (mais para estudo mesmo) e fica ótimo como um subwoofer! A flautinha, coitada é bem desafinada, enfim, pelo preço que paguei... (nova custaria R$5).

Os monitores de referência as caixas de som eu achei na rua (sim, achei na rua!), e eram de um aparelhinho da saudosa AIWA (afinal, o que aconteceu com a AIWA?).
Para ligar o computador nelas, naturalmente, preciso de um amplificador. Para isso, sacrifiquei um par de caixinhas de som (dessas de computador, que por sinal também consegui de graça), e usei a placa delas. Para abrigar o amplificador, usei uma caixa de fonte de computador. E viva a gambiarra!

Enfim, o projeto é modesto e não tenho ambição de melhorar muito mais do que é hoje. Talvez eu compre um notebook melhor, uma placa de som USB (de uns R$30 na China) e um teclado melhor mais tarde. Tudo isso fica em um canto do meu quarto, portanto não me preocupo com tratamento e isolamento acústico.

3. SOFTWARE

O primeiro software que usei na vida para gravar algo foi o Windows Movie Maker (o 1.0, que vinha com o Windows XP Home hahaha), enfim, isso foi pré-história. Eu considero história depois que conheci o Reason, um programa de sequenciamento muito bom, que, mexendo bem, comecei a fazer uns arranjos desenhando as notinhas com o mouse). Hoje, faz parte do meu projeto fazer música usando somente softwares Open Source, ou seja, gratuitos e de código livre. Então é mais ou menos isso que eu uso hoje:
  • Linux (Ubuntu 12.10 com GNOME).
  • Ardour (software de gravação multipista que não perde para concorrentes pagos, muito bom mesmo).
  • Linux MultiMedia Studio (legal para sequenciar usando o teclado ligado na USB).
  • Hydrogen (legal para criar loops [ritmos] de bateria).
A única coisa que sinto saudade de quando usava software pirata é o Reason e o Melodyne (que ajudava bastante na afinação - principalmente da voz). Talvez um dia eu tenha dinheiro para comprá-los. Mas não quero mais usar coisa pirata (já bastam as músicas que escuto).

EDIT EM 14/05 - Desisiti do software livre e estou usando a versão 7.1 do Reason que comprei uma cópia original por R$700 (muito satisfeito).

Enfim, espero que esse post seja útil (se alguém ler já está bom). Se alguém gostaria de montar um estudiozinho também e gravar umas ideias, é legal, e se quiser dá para investir bem menos que eu (gravando com um microfonezinho de computador e um programa gratuito como o Audacity já dá pra brincar legal).

Se alguém tem alguma dúvida que eu possa ajudar (eu sempre quis dizer isso) pode deixar um comentário que eu respondo com toda a boa-vontade. E é isso aí. Digitei muito, não vou revisar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.