Pular para o conteúdo principal

O Guia dos Motoqueiros das Galáxias

Estou escrevendo este post do ponto de ônibus. Cê veja o que é a tecnologia...
Hoje começam as aulas de moto. Eu já tinha esquecido que iria fazer moto também. Eu acho moto um veículo meio perigoso, mas decidi aproveitar.

<parenteses mode on>
Estou escutando Rodolfo Abrantes. Ele era dos Raimundos, até que Deus o chamou como missionário e importou que ele se convertesse. Eu li um pouco do testemunho dele na revista Rolling Stone, enquanto estava na Biblioteca Pública esperando motorista. Era umas três ou cinco páginas e achei bem interessante ter coisa de crente no meio de uma revista secular de música.

<parenteses mode off>
Enfim, é bom escutar um roquezinho quando de acorda às cinco e meia da manhã.
Agora tirei os fones de ouvido porque chegou mais gente no ponto (e eu não me sinto muito a vontade com os fones, parece falta de educação). Chegou o ônibus.
Posso escolher o lugar em meio a meia dúzia de sonolentos, e até consigo digitar graças ao asfalto da Prefa (oh yeah).
A mulher disse que é na avenida Santa Catarina. Como bom nerd, dei uma olhada no Google Maps. Já estamos chegando no terminal, vou pegar o Santa Catarina.
Achei estranho só eu entrar no ônibus e este com as luzes apagadas. Logo um cobrador me chamou a atenção e disse que iria trocar de carro.
É possível ler o sono nos rostos das pessoas. Fico imaginando, que tipo de gente está às 6:30 da manhã no terminal? Talvez professoras? A gente conhece as professoras porque sempre arrumam assunto para puxar com alguém.
O ônibus passou direto na curva da morte. Devia ter descido antes da rótula. Agora estamos na... Zona? H
aha, que engraçado. O motorista parou o ônibus por uns cinco minutos. Agora eu sei que vou me atrasar. Ele tocou um pedaço de "Aquela dos olhos negros..." no celular, esperou um pouco e continuou o percurso. De certo a paradinha fazia parte...
Passamos o Santa Clara. Aqui eu já conheço, é caminho para o Novo Milênio.
Tive que fazer a volta pelo São Luís, Santa Catarina, Araucária, Centenário. Entre os passageiros que subiam, tinha até um carinha que fez parte do filme do João Amorim, Jango Bravo (que dizia "Mas o senhor nem pagou a cachaça!").
Desci no ponto do cemitério. Tive que andar um trechinho a pé e cheguei com meia hora de atraso.


Andar de moto é fascinante. Mas é mais difícil do que parece. Hoje fiquei dando voltinhas na pista, e aprendi a frear também. O mais difícil é arrancar a moto, precisa ter muito cuidado com a embreagem.

Enfim, é legal. Amanhã tem mais. Mal posso esperar.

Comentários

  1. Poxa, o bom te ter largado o facebook é fazer posts como esse né? Que massa... hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa Ana, fico feliz de você ter lido.
      De fato, blogs são bem mais empolgantes, e te dá uma liberdade maior. Gostaria que todos tivessem um.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.