Pular para o conteúdo principal

Nostalgia tóxica

Eu não gosto da sensação de que antigamente era melhor. Principalmente com relacionamentos. O problema é que essa sensação parece me perseguir.

Eu entendo o medo de ficar sozinho.
Eu entendo o medo de não ser legal o suficiente.
Eu entendo o medo de ser rejeitado, de ser segunda opção.
Eu entendo o medo de expor os seus sentimentos e de se magoar ainda mais.
Eu entendo o medo de nunca ter alguém para estar do seu lado para sempre.
Afinal, mais cedo ou mais tarde todos os seus amigos somem.
E o tempo passa.
E as coisas ficam diferentes.
E parece que antes era melhor.
Só que o que era antes já mudou, e não serve mais.

Eu detesto sentir isso. Eu não quero me vitimizar, ou talvez eu queira, não importa. Só quero expressar umas coisas nesse blog da deepweb que espero que ninguém nunca leia.

Eu só queria ter um amigo que eu pudesse encontrar qualquer hora, e poderia ser na rua, em pé, sem nada pra comer. Estar junto, passar o ócio.

Queria ter alguém para conversar sobre sinestesia ou qualquer coisa diferente.

Por que eu fico magoado do nada com coisas que não fazem nem sentido? Eu achava que eu era maduro. Mas o meu coração não é. Eu não sei se um dia ele vai ser.

Eu não posso me deixar guiar pelo que sinto.

Talvez seja o fim das férias.

Vontade de assistir a um filme na Sessão da Tarde tomando Nescau, como se fosse 2002.

Naquele tempo eu não tinha amigos, mas a diferença é que eu não ligava.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Hoje é meu aniversário

Hoje é meu aniversário. Estou completando 27 anos.
Hoje eu aprendi que existem várias formas de dizer "eu te amo".
Seja passar a tarde e noite fazendo panquecas vegetarianas Ou pode ser também lavando sua louça suja Ou comprando uma pizza personalizada e comendo com você Ou com presentes Ou simplesmente falando mesmo...
Sou grato a Deus por várias coisas, mas posso de fato destacar que o melhor presente é olhar ao redor e perceber que sou amado.
Eu sei que não foi o melhor dia da minha vida. Mas uma coisa eu aprendi.
Gratidão.