Pular para o conteúdo principal

Saudade

Era uma vez um menino chamado Matias.
Certo dia ele acordou mais cedo que o normal. Ele estava com saudades.
Olhou para o rádio relógio e este, despertando, começou a tocar alguma música que falava de saudade.
Ele desligou o rádio mas ficou com a saudade.
Levantou e foi ler o jornal. Saudade era a manchete principal da primeira página. Folheou para as outras páginas, mas todas elas falavam saudade. Os classificados, as notícias policiais, tudo. Nas palavras cruzadas, havia uma palavra com sete letras, que começava com "s".

Saiu de casa, pegou o carro e viu que o reservatório de gasolina estava na reserva, e que portanto precisaria abastecer.

Passou pelas ruas que sempre passou. O tempo parecia nublado, apesar do calor. "Saudade à 2km", dizia uma placa.

"Que coisa estranha", disse Matias para ele mesmo. "Esse 'a' não deveria ter crase".

Chegando no posto, o frentista chegou abruptamente à janela. 

"Que saudade de você", disse o frentista. 

"O quê?", disse Matias. 

"Comum ou aditivada?", repetiu ele.

"Comum, completa. No cartão."

Matias desceu do carro e dirigiu-se à loja de conveniência para realizar o pagamento. "Deve ser uma piada do frentista...", pensou. "Afinal, o Mille é um carro econômico. É isso, um carro que gasta pouco, faz todo sentido..."

Enquanto o carro era abastecido, Matias olhou os salgadinhos. "Saudade queijo, Saudade bacon, Saudade churrasco..." Olhou na janela e viu, do outro lado da rua, a Loja da Saudade.

O frentista entregou-lhe a chave do carro, e disse à moça do caixa: "Saudade 4, comum".

"142,24", disse a moça a Matias.

"Débito", disse ele.

Digitou a senha.

"Saudade incorreta" foi o que apareceu na máquina do cartão.

"Sua saudade está errada", disse a moça do caixa.

"Sua saudade está errada". "Sua saudade está errada". "Sua saudade está errada"...

Matias acordou, abruptamente, ainda antes do despertador tocar. Era tudo um sonho. Matias estava suado. 

"Timóteo", sussurrou ele. "Timóteo precisa morrer".

O rádio relógio começou a tocar. 

"Vou morrer de saudade. Não, não vá embora..."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.