Pular para o conteúdo principal

O Guia dos Motoqueiros das Galáxias, Parte 2

Depois de fazer aula de moto e de carro, ontem foi o dia do teste final.
Frio na barriga, pegar ônibus, ir ao kartódromo e ver lá como é. A pista era um pouco improvisada, diferente da que eu havia feito aula. Enfim, deu tempo para dar umas duas voltas na pista para experimentar. Pareceu bem difícil, e desde então fiquei com um pé atrás. Não sei se iria passar.

Os peritos chegaram. Eram três. Mas, diferente dos mitos populares (os quais eu também não dei crédito), enfim, eles tinham um aspecto de pessoas simpáticas. Eu acho que não é fácil ser perito. É um profissional muito odiado, simplesmente porque faz o seu serviço.

O meu perito foi o de camisa listrada. Quando chegou a minha vez, tomei atenção em tudo. Geralmente o montar na moto é mais difícil do que andar, hehe. Enfim, até aí eu acertei tudo, mas depois, errei uma marcha. Pra falar a verdade eu não sei direito o que aconteceu, tentei reduzir à primeira, mas permaneci na segunda marcha, e, ao parar, tentei arrancar e a moto apagou. Cheirou estranho e acendeu um aviso no painel. Aí eu já fiquei meio nervoso, mas tentei terminar a volta com dignidade.

Haha, é assim, na hora que não vale nada a gente acerta tudo. Mas de fato o perito foi muito gente boa, e, com bom humor, me comunicou que estava reprovado. Aí ele fez uma piadinha tipo "Imagina se fosse a Gisele Bündchen que fosse fazer o teste com vocês, aí vocês não iam nem arrancar a moto". É, mais ou menos isso.

Mas a notícia boa é que no carro eu consegui passar de primeira. Foi tranquilo. Fiz o percurso estabelecido, me saí muito bem na baliza e fiz quase tudo certinho. O perito (que era o mesmo da moto) me perguntou ao final o que eu havia feito de errado. Eu fiquei quieto, então ele começou a falar umas coisas. Mais tarde eu entendi que eram dicas que poderiam evitar possíveis vícios no volante, e que eu seria aprovado. Mas na hora pareceu assustador, realmente acreditei que estava reprovado.

Enfim, deu boa. Vou sentir falta do "meu" Golzinho amigo, o qual me ajudou muito. E, claro, do instrutor Marcos também que era muito gente boa e me ensinou muito bem.
Ah, o instrutor Rafael, da moto também é muito bom. Mas eu não me sinto à vontade em uma moto, sei lá, parece que eu ouço ela falar "Vou te derrubar, sai de cima de mim!". Em contrapartida, quando eu entrava no Golzinho, ele dizia "Sou seu amigo, vou te levar onde precisar". Nossa, emocionei agora. Tchau, meu Golzinho.

Meu Golzinho era parecido com esse
(eu acho, não entendo nada de carro).
Enfim, agora é marcar o reteste, esperar quase um mês e pagar R$59. Em breve, espero postar a parte três e espero que seja a última.

Comentários

  1. pena pela prova de moto :/ mas parabéns pela de carro! :D não tinha falado antes, mas o título é massa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ana!
      O título é baseado naquele livro que você começou a ler mas não gostou. :D
      Ah, espero mais posts no seu blog, viu? :)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha do livro O Peregrino

John Bunyan, autor de “O Peregrino” (“The Pilgrim Progress”), nascido na Inglaterra Central em uma família de funileiros, viveu uma época de intensas discussões acerca do Cristianismo, devido a reforma protestante. Em 1675, preso em uma cela por conduzir cultos sem autorização, escreveu este livro, que é considerado o segundo livro mais vendido no ocidente, sendo o primeiro a Bíblia Sagrada.

Segundo o autor, através de sonhos lhe foi revelada esta narrativa, a qual testifica ser revelada por Deus. Em uma liguagem bastante simples, o livro conta a história de Cristão. Este homem, vestido de trapos e carregando um enorme fardo, o qual adquiriu através da leitura de um livro (referência à Bíblia), decide iniciar uma longa viagem rumo à Cidade Celestial, com o objetivo de salvar-se do julgamento e da destruição que estariam por vir em sua cidade, a Cidade da Destruição.

Durante sua jornada, Cristão passa por muitos caminhos difíceis, como o Pântano da Desconfiança, o Desfiladeiro da Dificul…

Correio Lageano andou assistindo meu poop video do João Amorim

Estava fazendo uma pesquisa para ver se meu primeiro e único poop no Youtube estava famoso mesmo. O vídeo se chama YTPBR João Amorim - Jango Bocha. Só que o nome do filme original é Jango Bravo.
Qual não foi minha surpresa, quando encontro, entre os resultados, uma página que faz uma espécie de homenagem ao mestre do cinema regional, e, na filmografia do cineasta, o filme "Jango Bocha". Só que este é o nome do meu vídeo, não o filme original (que se chama Jango Bravo). Hahahaha... Que massa.

Não haveria outra forma deles se confundirem. Com certeza andaram vendo meu vídeo...

Parece que o meu vídeo está ficando famoso. Além de que, já alguns fãs e poopers pediram para eu postar o filme original algumas vezes.

Obs.: O poop não ficou bom. Enfim, só existe este com este filme.



Matéria do CL (por Suzani Rovaris): http://www.clmais.com.br/variedades/64224/lenda-do-cinema-catarinense-transforma-cotidiano-em-filme



Bem, como eu já havia dito uma vez, Youtube Poop é cultura!

Minha querida mesa de trabalho

Oh, até que é chique, tem até dois monitores 8-)


Minha mesa de ensino, meu computador educacional, e tem algumas ferramentas pedagógicas com as quais eu faço a manutenção didática dos computadores instrutivos.